Por que joão alberto morreu?

Autores

Palavras-chave:

população negra, Homicídio, Violência racial, Controle social

Resumo

O presente artigo analisa a morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro, vítima de homicídio no interior de um estabelecimento comercial na cidade de Porto Alegre. No âmbito das relações de consumo, a vítima, como se estivesse inserida e controlada em fronteiras descontínuas e fluídas, categorizada como um corpo suspeito, posicionada distante dos lugares historicamente assegurados à população negra, foi asfixiada, como se não pudesse gozar dos direitos básicos inerentes à cidadania. A morte racializada é um somatório de fatores históricos que relacionam o passado e o presente, havendo efeitos do regime escravocrata que funcionam como princípios estruturantes da sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

CHALHOUB, Sidney. Visões de Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DEPEN – Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento nacional de informações penitenciárias 2016. Brasília, DF, 2016.Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/noticias-1/noticias/infopen-levantamento-nacional-de-informacoes-penitenciarias-2016/relatorio_2016_22111.pdf. Acesso em: 11 dez. 2019.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

FANON, Frantz. Pele negra: máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Segurança Pública. Um retrato da violência contra negros e negras no Brasil. 2017. Infográfico.Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/11/infografico-consciencia-negra-FINAL.pdf. Acesso em: 11 dez. 2019.

GOMES, Laurentino. Escravidão: do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2019.

HOLLOWAY, Thomas. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: FGV, 1977.

IPEA – Instituto de Pesquisas Aplicadas. Atlas da Violência 2020. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020. Acesso em: 02 nov. 2020.

LARA, Silvia Hunold. Campos da Violência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MAREDITH, Martin. O destino da África: cinco mil anos de riquezas, ganâncias e desafios. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

MOREIRA, Adilson José. Pensando como um negro: ensaio de hermenêutica jurídica. São Paulo: Contracorrente, 2019.

MUNIZ, Veyzon Campos Muniz. Desenvolvimento sustentável, direito e raça. Revista Brasileira de Direito Constitucional e Internacional, v. 118, São Paulo, 2020.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3. ed. São Paulo: Perspectivas, 2016.

RIBEIRO, DARCY. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3. ed. São Paulo: Global Editora, 2015.

VALENTE, Júlia. UPPs: Governo militarizado e a ideia de pacificação. Rio de Janeiro: Revan, 2016.

WEICHERT, Marlon. Violência sistemática e perseguição social no Brasil. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 11. São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

2021-11-18

Como Citar

DE MELO, A. R.; BARROSO DA COSTA, D.; CAMPOS MUNIZ, V. Por que joão alberto morreu?. Revista da Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 1, n. Edição especial, p. 21–31, 2021. Disponível em: https://revista.defensoria.rs.def.br/defensoria/article/view/424. Acesso em: 4 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)